quinta-feira, junho 21, 2007

Exemplos lapidares


Há 9 anos, em Teerão, um homem e uma mulher muçulmanos foram presos por adultério, condenados à morte por lapidação.

Seriam executados hoje, mas pressões internacionais entre elas da Amnistia Internacional, conseguiram que um Juíz iraniano suspendesse indefinidamente a execução.


Há 5 anos, em Portugal, Sara, católica, apostólica, praticante, abandonou o marido, fugindo com um bebé de sete meses nos braços. De explicação, deixou ao marido um teste de ADN onde se comprovava que o bebé, afinal, era filho de outro.


Sara, classe média alta, gira e loura, ainda hoje abre muito os olhos azuis carregados de inocência e diz que já sofreu muito com este assunto e agora (já dizia isto 3 meses após ter deixado o marido à beira do suicídio, aliás) quer e merece ser muito feliz. Como argumento absolutamente definitivo, evoca que Jesus Cristo perdoou até Maria Madalena...


Em Teerão está uma mulher muçulmana presa por adultério, à espera de ser lapidada.


Em Portugal, Sara vai todos os domingos à missa e comunga.


Sorte ser católica, né?

Etiquetas: ,

19 Comments:

At 21/6/07 11:57 da tarde, Blogger mário franco said...

O olhar não é o mesmo,para eles há pouca tolerância para quem não cumpre as 'suas' leis.
Por cá,o mais que pode acontecer é a vingança do marido,ela ficará mal vista na comunidade mas o que importa é o que vai dentro de quem comete o 'crime',daí a missa e a comunhão.

 
At 22/6/07 9:01 da manhã, Blogger MARTA said...

A interpretação dos factos - intolerância, o fanatismo de uns e outros a acharem que continuam a estar no bom caminho simplesmente porque vão à missa, apesar de não terem cumprido um dos mandamentos.
Não sei se é o hipocricia ou o extremismo puro... Parece é não haver um meio termo...
Fiquei a meditar no assunto.
Obrigada pela visita e pela participação no desafio.
Beijos ao Azulito e outro para ti
Marta

 
At 22/6/07 9:14 da manhã, Blogger greentea said...

é por essas e por outras ...

como não tenho palavras nem para a lapidação nem para o caso de Sara (aliás tenho perto de mim uma história parecida em q Rita abandonou o marido e duas filhas para seguir o "homem da sua vida" - tb ela vai à missa todos os domingos e é filha de pais hiper-super católicos praticantes...)
mas aqui aqui por outros motivos e para dizer q te deixei um recado no meu espaço.

Um beijo para ti

 
At 22/6/07 9:56 da manhã, Blogger greentea said...

já respondi ao q me perguntaste

 
At 22/6/07 10:14 da manhã, Blogger Carlota said...

É a velha história do faz o que eu digo, não o que eu faço... As hipocriasias do costume.
Beijola.

 
At 22/6/07 10:14 da manhã, Blogger Carlota said...

Hipocrisias, era o que eu queria ter escrito. :)

 
At 22/6/07 12:46 da tarde, Blogger Melões Melodia said...

Eu ainda prefiro a hipocrisia do nosso mundo a intolerancia do outro. E no fim, acho que uma pessoa pode sempre corrigir os erros cometidos, se e que o sao.
beijos

 
At 22/6/07 1:11 da tarde, Blogger Nana said...

Acho que ai hà um pouco também do que os cristãos chamam "liberdade de crença". No catolicismo, ninguém te obriga a seres assim ou assado. So se dão "linhas de vida" que depois cada um escolhe de seguir ou não.
Outros tantos se dizem catolicos e nunca vão ao encontro dominical com Jesus que é a missa ...
Esta é a minha opinião pessoal, sem querer polémicar ...

 
At 22/6/07 2:31 da tarde, Blogger Miss Spring said...

pois é. mais do que tudo, é preciso ter sorte até para o sítio onde se nasceu...

 
At 22/6/07 2:42 da tarde, Blogger Morgenita said...

A justiça dos homens de justa não tem muito. É circunstancial e, completamente indiferente aos motivos e às consequências.
Quanto às Saras deste mundo, resta-nos a vaga esperança que um dia se cruze nos seus caminhos alguém tão Sara como elas.
Bjocas

 
At 22/6/07 6:36 da tarde, Blogger melga meiguinha said...

Mas então se houvesse deus não era só um?
Não deviam as religiões segui-lo e acabar com estas barbaridades?
Que hipocrisia!!!!!!!

Obrigada por hoje. Foi muito bom.

Beijocas.

 
At 23/6/07 2:07 da tarde, Blogger Carlos Malmoro said...

Digo apenas que a Mafaldinha diz muitas verdades ;)

 
At 23/6/07 3:17 da tarde, Blogger beleza de mulher said...

a unica coisa que digo é isto estupidez de religiões jà vi na televisão,uma criança ser morta a tiro nem comento um bom fim de semana

 
At 23/6/07 4:58 da tarde, Blogger Caracolinha said...

Post ...

G
E
N
I
A
L

... como tu ... :)

Beijoca encaracolada :)

 
At 23/6/07 5:20 da tarde, Blogger melga meiguinha said...

Que tal um post novo?
Eu já fiz o meu.

Beijocas e bom fim de semana.

 
At 23/6/07 5:43 da tarde, Blogger a lice said...

Hipocrisia... É, infelizmente, este o mundo em que vivemos.

Beijinhos.

 
At 24/6/07 12:50 da manhã, Blogger Kalinka said...

OLÁ LINDA

MUITO OBRIGADO PELA FANTÁSTICA MÚSICA DO
NEY
MATOGROSSO. Adoro!!!

Bom Domingo.

Agradeço as visitas simpáticas ao Kalinka.

 
At 24/6/07 7:57 da tarde, Blogger AEnima said...

Azulita,

Ultrapassado o verdadeiro ponto da questao... deixa-me so dizer que no Irao os homens nao sao condenados 'a morte por cometer adulterio. A pena para o homem sao entre 20 a 40 chibatadas em praca publica, disse-me uma amiga iraniana a viver nos US. Nao percebo esse caso.

Os catolicos conhecem a compaixao do perdao...

... ou sera que conhecem mesmo?

 
At 25/6/07 9:16 da tarde, Blogger Meia Lua said...

Tocas num ponto fundamental... Antigamente morriam pela inquisição mulheres suspeitas de bruxaria e todo e qualquer ser humano que fosse contra a igreja... ou até nem era preciso, bastavam 2 testemunhas... No fundo penso que não importa a religião, atrocidades vão sempre existir, há que mudar a mentalidade... no caso da igreja foram alguns séculos, no caso dos muçulmanos talvez alguns milhares de anos, infelizmente...
Muito bom post... como já é habitual ;)
beijinhos

 

Enviar um comentário

<< Home