quinta-feira, outubro 25, 2007

Pais


"Nunca foi novidade para mim que um homem corajoso e brilhante possa amar outros homens", J.K. Rowling, sobre o facto de a personagem Dumbledore ser gay.
Confesso não ser grande fã de Miss Rowling, menos ainda do seu Harry Potter, mas esta declaração redimiu-a aos meus olhos (não que ela se importe com a minha opinião, claro).
Isto a propósito da tal campanha com o babyborn gay que tanto chocou a opinião pública mundial nos últimos dias, sobre a qual não encontrei uma única imagem na Net (gostaria de ter ilustrado este post com ela, mas aí a conversa também seguiria outro rumo...).
Há coisa de 15 anos, ajudei um paciente a assumir a sua orientação sexual, processo profundamente doloroso para ele. Depois ele quis o meu apoio para contar aos pais. Primeiro à mãe (porque achamos que as mães são sempre mais permeáveis a certas coisas que os pais?), que teve um ataque e desatou aos berros, a esclarecer-me que não tinha culpa do filho ter aquela "doença", ela até no coro da Igreja o tinha posto e ele parecia um anjinho ali a cantar, agora Deus devia castigá-lo por semelhante pecado. Havia tratamento?, pagava o que fosse preciso para o curar. Depois veio o pai. "Não era o que queria para ti. Não me vais dar netos e isso é um grande desgosto. Preciso de tempo para me acostumar, mas tenho muito orgulho em conseguires assumir isso, deve custar muito, mas pior era teres casado para disfarçar e teres tido filhos...". Ah, sim, este pai sabia bem do que falava!
Já este ano, uma mãe veio à consulta com a filha de 18 anos. "Está a ser difícil, ela disse-me que só gosta de raparigas, tem uma namorada. Não me faz impressão nenhuma, quero é que ela seja feliz. Mas a mãe da outra descobriu e chama-me todos os nomes, diz que eu incentivo esta "pouca-vergonha", só porque eu lhe disse que devíamos acarinhá-las, são nossas filhas, temos que desejar que sejam felizes, mais nada. Se isto chegar aos ouvidos do meu ex-marido, pai dela, a culpa vai ser minha, porque eu sou muito moderna, cheia de idéias avançadas, só podia dar nisto." A rapariga, a esta altura, voltou-se para a mãe e disse: ensinaste-me que a opinião dos outros não importa e agora estás para aí a ralar-te com a mãe da outra, com o meu pai... eu adoro-te e sinto-me feliz por seres compreensiva. Achas que a minha opinião compensa o resto?
Os filhos mudaram, alguns pais também.
E o mundo, quando aceitamos todas as diferenças nele contidas, fica um lugar tão mais bonito...

Etiquetas:

24 Comments:

At 25/10/07 12:58 da tarde, Blogger Melões Melodia said...

Olha, nem sei que dizer-te mas podia escrever paginas sobre tudo isto.
Mas acredito que a sociedade esta muito mais preparada do que a maioria das pessoas pensam.
O problema e que a rejeicao doi, mesmo que seja praticada por um no meio de muitos, principalmente quando nao temos forma de controlar aquilo porque nos rejeitam.
Beijos

 
At 25/10/07 1:36 da tarde, Blogger Pitanga said...

Este assunto é pra lá de delicado, porque o mundo não vai só além do nosso quarteirão. Os filhos que assumem ou não suas opções, e que não são maioria da população, não vamos negar isso, acabam sofrendo e é isto que aflige os pais. Também há os extremos como no seriado L World em que a rapariga começa a tomar hormônios masculinos e fica com barba e bigode e com um humor do cão. Já viste este seriado? Ninguém é feliz ali. E todas elas são assumidíssimas.
Rejeitá-los, eu não digo, mas nenhum pai pode se dizer feliz porque sabe que o filho ou a filha vão sofrer.

beijos Azulinha, e aqui estou eu a querer ensinar o Pai Nosso ao Vigário. Saindo de fininho!

Ah, o Rebouças continua fechado, viu?

 
At 25/10/07 2:32 da tarde, Blogger Um Momento said...

^Se realmente nos preocupassemos com os nossos...com as nossas vidas...
Em acarinhar os que amamos, independentemente dos seus gostos...
Cada um tem o direito de gostar á sua maneira... do que quiser...
Estou em vias de uma situação semelhante...
Não tenho a certeza ainda... mas penso eu que será...se tal acontecer,aceitarei de bom grado a opção de filho meu
Quem sou eu para impor seja o que for?
Não terei eu escolhido também o meu caminho?... Mal ou bem foi a minha opção.
Quem somos nós para repreender ( neste caso em particular) a vontade,a opção de amigos, parentes,ou até meros "desconhecidos"?
É ... o mundo seria muito mais transparente se cada um olhasse para o seu coração
Bom post
Beijo...bem aí
(*)

 
At 25/10/07 2:33 da tarde, Blogger Melões Melodia said...

Pitanga - desculpa la falar contigo aqui, mas ha uma coisa com que discordo. A homossexualidade nao e uma opcao, um homossexual e-o, como uma pessoa tem olhos azuis, cabelo preto ou pele vermelha.
Ninguem na sua perfeita consciencia seria gay, teria que ser acima de tudo masoquista.
E os pais sofrem, porque sabem que o filho vai sofrer - mas mais sofrem os que o sao, porque sabem que vao sofrer, que vao fazer sofrer os pais, associado ao medo de perder pais, familia e /ou amigos.

Azulinha - desculpa la invadir o teu canto.

beijos as duas

 
At 25/10/07 3:40 da tarde, Blogger 125_azul said...

Pitanguinha: que coisa essa do Rebouças! Ainda bem que desta vez não foram os traficantes aos tiros!


Melões:
Usa este espaço para o que te apetecer, és bem vindo! Ainda por cima, considero que tens imensa sensibilidade social. Sabes, és mais novo do que eu e a Pitanga, nós aprendemos que ser homossexual era opção; um dos meus melhores amigos diz que não é opção, é exactamente o contrário, é falta de opção.
Eu digo sempre "orientação", que é a expressão aprovada pela OMS e a que, em português, me paréce a mais correcta.

Beijinhos aos dois

 
At 25/10/07 4:34 da tarde, Blogger neva said...

ahhhh fogo como estas cosias são complicadas sem necessidade nenhuma bolas, com tantos problemas realmente serios e as pessoas continuam a ver a homossexualidade como um problema, mas será que não podem ser felizes só porque um sentimento de amor se cria entre 2 pessoas que se amam? nuns casam e levam os parabéns outros se for necessário pedras, tudo pelo mesmo sentimento que os une grrrrrrrr

 
At 25/10/07 5:37 da tarde, Blogger Mário Franco said...

o mundo sempre teve as suas diferenças,há que saber viver com elas...mas antes isso que ver morrer um filho aos poucos pela PORRA DA DROGA!!!!

 
At 25/10/07 6:31 da tarde, Blogger Hindy said...

Muito bonito, mesmo...

Beijinho hindyado

 
At 25/10/07 7:27 da tarde, Blogger Pitanga said...

MELÕES MELODIA, não há o que desculpar. Ao fim e ao cabo concordamos que tudo isso é difícil e delicado.

abraços e... Azulinha o túnel não tem previsão para ser reaberto. Já pensaste o que é entrar e sair da Barra todos os dias? Na Linha Amarela às vezes "o bicho pega" e na Niemyer também há perigo de deslisamentos. Só de helicóptero, filha!!

 
At 25/10/07 9:46 da tarde, Blogger Tong Zhi said...

Claro que sobre este assunto eu teria "pano para mangas"... mas não vou fazer. Vou apenas reproduzir uma frase que a minha mãe, com 87 anos me disse há dias:
Filho, tu não pensas refazer a tua vida?
E acrescentou,
Seja que seja com quem for sabes que a mãe aceita!!!
:D

 
At 25/10/07 10:34 da tarde, Blogger Caracolinha said...

Olá, se puderes passa na casca e assina a petição.

Divulga.

Obrigada.

Beijo encaracolado.

 
At 25/10/07 11:08 da tarde, Blogger mjf said...

!Não deve ser fácil a um filho, assumir perante os pais, que se projectam nele, que não é como a maioria...Nós Pais, informados, e contra qualquer tipo de discriminação, com mentalidade evoluida, amamos os nossos filhos, incondicionalmente.Passado o primeiro impacto,devemos ajuda-los e valorizar o acto de coragem deles, pois o importante é sermos genuinos felizes e fiéis a nós mesmos..
Beijos

 
At 26/10/07 2:14 da manhã, Blogger Vieira Calado said...

Não vi nada do Harry Potter. Prefiro os flamingos.
Um abraço.

 
At 26/10/07 6:29 da manhã, Blogger Angela said...

Permita-me discordar duplamente:
Pela minha prática de vida pessoal e profissional, homossexualidade pode ser uma opção sim! pois que são vários os fatores para sua manifestação.
E, dizer que :"Ninguem na sua perfeita consciencia seria gay, teria que ser acima de tudo masoquista", me parece uma questão preconceituosa pois então, implica em sofrimento obrigatório? Desculpem mas conheço e já vi muita gente feliz exercendo a sua sexualidade com prazer e tranquilidade independente do que pensa o mundo. Acho que é uma questão tão afeita à segurança interior quanto qualquer outra.
Quer coisa melhor do que poder amar a quem se ama, poder gostar e ter prazer com o que se deseja? Onde está o mazoquismo?

 
At 26/10/07 6:46 da manhã, Blogger Angela said...

Só uma perguntinha: que imagem você desejava para este post? Alguma em especial? O Google imagem está cheio de fotos do mago em todas as versões possíveis!

 
At 26/10/07 9:49 da manhã, Blogger Melões Melodia said...

Angela - Eu sei muito bem do que falo.
Masoquismo nao sera no sentido literal da palavra, mas querendo dizer que assumir esse facto perante todos, bem como esconde-lo leva sempre a um grau de desconforto. Porque enquanto nao se diz, nao se e feliz, e por esse momento todos os homossexuais passam.
E nao e so o sofrimento que cada um passa, pois pode passa-lo de uma forma ou de outra, melhor ou pior, mas e o sofrimento que o homossexual acredita incutir aos pais, amigos e demais familia.

Continuo a dizer que ser homossexual nao e uma opcao. Opcao e assumi-lo perante os outros ou nao.

 
At 26/10/07 11:26 da manhã, Blogger greentea said...

a primeira pessoa , o primeiro blog que contactei na net era de um homossxual assumidissimo e que me incentivou a criar o meu primeiro blog fasesdalua.

Depois disso, ele desapareceu da net mas era uma pessoa incrivel , com um dom enorme para amar , para ajudar os outros seres humanos, participando em inumeras campanhas de voluntariado para diversas causas.
Depois disso há diversos blogs que surgiram e um deles, extremamente interessante é Tom , um ser diferente, por exemplo....

As pessoas em geral não gostam do que é diferente, daquilo que vai à frente dos tempos, das pessoas que não seguem todos os dias pelo mesmo caminho mas procuram alternativas para levantar cabeça e serem FELIZES!!
Um beijo

 
At 27/10/07 3:57 da manhã, Blogger Um Momento said...

Realmente... um assunto com pano para mangas
Ser homossexual ñ é uma opção de forma alguma...
Digam o que disserem jamais será uma opção...
Li que opção será assumir-se ou não.
Concordo plenamente
Não estou a ver ninguem a assumir-se homossexual por prazer( talvez sim,por vaidade ou por querer ser diferente,ou por querer dizer "eu também sou")
Conheço homossexuais, que são incriveis, amigos, e de uma sinceridade brutal
Dir-me-ão que maior parte das pessoas são assim...mas talvez por a homossexualidade ser tão criticada, tão abominável aos olhos de muita gente, essas pessoas tenham aprendido que a vida é para ser vivida com todos os minutos saboreados, apreciados...
Quero com isto dizer que ser homossexual não é uma doença, não é uma praga .
Por exemplo , hoje falava com uma colega minha e passou um casal homossexual...estavam colados aos beijos na rua... eis uma coisa que eu pessoalmente , não gosto de ver( sejam homossexuais ou não)... mas lá está... eu tenho alguma coisa que gostar ou não?
Não!
A vida é deles , eles beijam-se onde quiserem e lhes apetecer...
Eu não tenho que gostar ou deixar de gostar... mas ao menos sou sincera... digo o que gosto e não gosto, mas tenho consciência que não tenho que criticar... logo não o faço...
Portanto...cada um faz o que quer, pensa da forma que quer... isso sim é uma opção...
Agora gostar de uma coisa...ou não...
Sentir algo ou não...
não é opção...
Desculpem lá

;o)

Beijo de noite linda
(*)

 
At 27/10/07 6:56 da manhã, Blogger Angela said...

Desculpe 125
Mas vai um bate papo em seu espaço.
Melões Melodia,
também sei bem do que falo e, se não era pra usar a palavra Masoquismo com o que implica, usasse outra então! Não se pode entender o que supões ser masoquismo fora do seu contexto, pois não?
E aí está questão: porque temos que dizer aos outros se somos hetero ou homossexuais? Temos que dizer como defecamos? como dormimos, se tiramos melecas do nariz ou se praticamos isto ou aquilo? Aí está a questão: as pessoas que se sentem culpadas ou "erradas" e que desejam ser aceitas porque não se aceitam sem a aprovação dos outros, é que criam o problema que não é de homossexualidade ou de qualquer outro gosto pessoal mas de auto-aceitação! É o que penso e não é nem um pouquinho teoria!

 
At 27/10/07 8:17 da manhã, Blogger Palavras Soltas said...

Bom dia.
Penso que será melhor atascarmo-nos em bombons:o)
A questão é... muitos ou apenas alguns
Belo espaço

Voltarei:o)
*

 
At 27/10/07 2:55 da tarde, Blogger Melões Melodia said...

Azulinha - andamos a abusar do teu canto, eu sei, mas tambem sei que nao te importas. Beijos

Angela - quanto a palavra masoquismo, nao a acho mal aplicada. As palavras nao sao caixas hermeticamente fechadas, e para dar a imagem que queria, parece-me bastante apropriada.

Acho que tens uma visao muito simplista das coisas. Ainda bem, diria eu, afinal o que queremos todos e um mundo simples sem ter que dar justificacoes do que quer que seja.
E nao e uma questao das pessoas se sentirem culpadas ou erradas, apesar de para um grande numero de homossexuais ser esse o caso (a maioria das pessoas e educada numa familia tradicional, com valores de familia e com a ideia de casamento e filhos).
O desejo de aceitacao esta sempre presente. Ninguem gosta de se sentir rejeitado, principalmente por coisas que nao controla. E como rejeitar um preto, ou um judeu, ou um arabe,...
E nao e de auto-aceitacao, porque ainda com esta, o homossexual quer que os outros o aceitem como e, senao nao haveria necessidade de campanhas xyz ou de orgulho gay.
O dia da plena aceitacao sera quando este tema nao precisar de ser discutido, quando nao houver distincao alguma, quando os direitos forem exactamente os mesmos e quando o dizer que se e gay principalmente quando o facto de se dizer que se e nao traga associado nenhuma forma de orgulho, medo ou ansiedade.

 
At 28/10/07 7:17 da manhã, Blogger Angela said...

Nasci e moro no Rio de Janeiro e talvez não tenha idéia do que é estar em lugar provinciano. Tive um pai que me ensinou muita liberdade de pensamento e aceitação da vida e das pessoas.
E, acabas de repetir, em outras palavras, o que eu dizia:
"O dia da plena aceitacao sera quando este tema nao precisar de ser discutido,"
A diferença é que falas no futuro e eu, no presente.
paramos aqui? espero que sim, com todo o respeito por você e sua forma de ver e sentir, ok?

 
At 28/10/07 1:40 da tarde, Blogger Melões Melodia said...

Angela - com o devido respeito, pois querias parar por aqui, talves Londres, Paris ou Madrid, sejam cidades provincianas comparadas com o Rio. Foram as cidades onde vivi os meus ultimos anos. Felizmente, os meus pais educaram-me com valores de tolerancia, respeito e liberdade que muito prezo, e tenho com eles uma relacao estupenda.
No entanto, e voltando ao tema, so queria dizer uma coisa: Se eu pudesse optar teria escolhido ser heterossexual, pouparia muitas desilusoes e seria mais facil concretizar alguns sonhos, como ser pai. No entanto sou muito feliz comigo e nao tenho problemas nenhuns em aceitar-me tal como sou...
E so.
Basicamente, nunca optei. Sou.

 
At 30/10/07 8:30 da tarde, Blogger dora said...

( mas são preciso fadas que ajudem os partos que pintam o mundo mais bonito! Abraço grande )

 

Enviar um comentário

<< Home