segunda-feira, outubro 01, 2007

Presente de Deus


Foi em Setembro, há pelo menos três Setembros atrás. Ela estava feliz, tinha finalmente conseguido entrar numa lista para adopção nacional. Parece mais difícil para pais/mães solteiros, mas ninguém o diz assim, explicitamente.
Submeteu-se a tudo, de avaliações psicológicas a visitas de Assistentes Sociais para verificar se tinha alojamento condigno para a criança (já tenho três, biológicos, e não me lembro de alguma vez ter passado por nada disso... e algumas famílias bem precisariam...), de reuniões com futuros "adoptandos" a sei lá o que mais, muitas coisas mais. O tempo a arrastar-se e não há criancinhas neste país em condições de serem legalmente adoptadas (?), portanto espera-se. Elas por pais, quem quer adoptar, por filhos.
Então e que tipo de criança quer? Sexo, até que idade, tipo físico. Uma criança, senhores. Uma criança que precise de mãe, pode ser?
É pedir muito!
Valha-nos a adopção internacional, por via legal, que parece que funciona e muito bem.
Ser mãe biológica pode ser um acto de amor ou um acidente de percurso. Ser mãe adoptiva é certamente só um acto de amor, pelo menos quando falamos de pessoas com a tenacidade dela, com todo o amor, disponibilidade e rectidão de carácter que ela tem para dar.
Porque ela é linda, está para chegar o seu presente de Deus. Após tantos revézes, ela espera, cabeça nas nuvens, coração aos saltos, muitos planos, mil providências a tomar.
E eu, que aprendi mais uma preciosa lição sobre amor ao próximo, estou feliz. Por ela, que vê um sonho a concretizar-se e pelo bebé, que vai ter uma mãe que lutou de alma e coração pelo seu direito à maternidade, pelo direito a torná-lo filho dela.
Tens cá uma sorte, bebé!

Etiquetas:

20 Comments:

At 1/10/07 1:20 da tarde, Blogger Melões Melodia said...

Pois a mim toda a gente a quem falo me diz que nem tente. Isto de ser homem solteiro e com um passado de excessos, mas enfim...
Um dia ainda hei-de ter sorte.
Beijos

 
At 1/10/07 1:32 da tarde, Blogger Mónica Lice said...

Que bom que esta história real terá um final feliz!:)

Beijinhos de boa semana!

 
At 1/10/07 1:48 da tarde, Blogger Álex said...

é do conhecimento geral a dificultade e demora para poder adoptar, é tb. mto complexa a questão.
bottom line, eu acho que se devería sempre, sempre, encarar esta questão pelo prisma das crianças que merecem um colo e toda a estabilidade e felicidade que tal implica, mas não...o pior para mim é qdo continuam a achar, entre outras cretinices, que o vínculo biológico é o fulcro da questão e o elo a priviligear. tão errado...
tenho várias amigas com crianças de diferentes idades adoptadas, eu só não o fiz pelo tarde que cheguei à situação desejada e o tempo infindo que demora (não quero ter um filho e um neto ao mesmo tempo!)parabéns à tua amiga e é verdade que esse bebé é um de sorte

 
At 1/10/07 2:46 da tarde, Blogger MARTA said...

Pois, adoptar é um acto de amor e que bom que a tua amiga vai dar casa a um bebé...
Precisa muito de amor e carinho...
Obrigada pela visita.
Até já
Beijos e abraços
Marta

 
At 1/10/07 3:26 da tarde, Blogger greentea said...

ainda bem que conseguiu, já que é tão dificil e põem tantas restrições...
conheci um casal que adoptou um menino de dois anos; mudaram de casa , de local, de tudo... Passado pouco tempo divorciaram-se e ele ficou com a mãe adoptiva não casada.
Para quê tanto inquérito e tanto questionamento se uma mãe ou um pai sozinhos podem dar tanto amor e às vezes a familia de origem não dá nenhum...

A miúda biológica está QUASE boa. Vai ainda fazer um Raio X mas já faz uma vida quase normal. Obrigada.

Beijinhos (as mães depois é que ficam de rastos ....)

 
At 1/10/07 5:15 da tarde, Blogger Hindy said...

Há histórias que felizmente acabam assim!

Beijinho hindyado

 
At 1/10/07 5:15 da tarde, Blogger A. João Soares said...

Concordo que não deve ser entregue uma criança a pessoas que podem não ter condições quer psíquicas, estabilidade, habitação suficiente. Mas os cuidados na recolha dessa informação não pode ir ao exagero de se impedir que a criança tenha uma mão adoptiva, mesmo que não seja o ideal de perfeição.
Em tudo deve haver sensatez e não entrar em exageros.
Abraço
Do Miradouro

 
At 1/10/07 5:28 da tarde, Blogger mjf said...

Olá Boa tarde!
Uma história com final feliz...
E lá diz a sabedoria popular:"parir é dor criar é amor"
Beijos

 
At 1/10/07 7:07 da tarde, Blogger Nana said...

sorte mesmo a dessa criança, de ser adoptada antes de "ter barbas" ! Que a fazer tanto "xixis" as crianças acabam por ultrapassar a idade de ser adoptadas !
E se hà amor para dar, porquê fazer tanta dificuldade ???
Meu Deus !

 
At 1/10/07 7:08 da tarde, Blogger Pitanga said...

Ah, mas estas Leis de Adoção são de uma "inteligência e lógica" do caraças. Então ficam os pequenos espremidos em orfanatos, ou a perambular pelas ruas ao frio e à fome e quando se apresentam pais em potencial para que tenham um teto e carinho, os Senhores Juízes e Assistentes Sociais, muito bem intencionados, querem saber de que cor os pretendentes vão pintar o quarto da criança???
Aqui também é assim. Na família biológica é porrada todos os dias, nos pais por adoção, ele deve ser sacristão e ela beata.
Isto me tira do sério, pa!!

Desculpa, Azulinha, mas quando toca à criança...&¨%&¨%&%%&¨%¨!!!

Que este bebê chegue bem e faça feliz a quem o ama tanto.

 
At 1/10/07 9:18 da tarde, Blogger r said...

Mãe adoptiva não existe. É um termo social. Não será mau para a criança, certamente, mas nunca o amor de mãe será genuíno, por mais voltas que dê o mundo.

 
At 1/10/07 11:39 da tarde, Blogger Madalena said...

Conheço de perto alguns casos. Muito perto mesmo: foram meus alunos e são filhos felizes!
É uma justa homenagem aos pais via coração e vontade!
Beijinhos azuiiiiiiiiiiiiiiiiis para todos!

 
At 2/10/07 1:12 da manhã, Blogger Nani said...

:)

 
At 2/10/07 2:21 da tarde, Blogger Ck in UK said...

um cliente meu foi ao guatemala buscar uma crianca. diz ele que foin num instante. numa hora, assina papeis, ja esta , sai de la com a crianca. mais facil q comprar um carro diz ele.

 
At 2/10/07 5:20 da tarde, Blogger AEnima said...

Nao percebo para que 3 anos, quando em portugal ja se veem maes biologicas desesperadas deixar bebes nos contentores. Eu planeio adoptar no futuro, quando tiver condicoes ($) para isso. Espero nao perder a fe de vez num estado democratico ao faze-lo.

 
At 3/10/07 11:28 da manhã, Blogger Nocas Verde said...

Cara 125...

(Porquê? Porquê? tamto sofrimento...)

vou repetir-me... ser biologicamente fértil não deveria ser coindição única para ter filhos.

Tenho um primo adoptado... nunca me vou esquecer do que dizia quando as pessoas (PARVAS) lhe perguntavam sobre a sua situação de adoptado(PARVAS!)
- A mãe ama os meus irmãos porque tem que amar. A mim a mãe ama porque quer amar.
E todos nos ríamos da cara de PARVAS delas...

 
At 3/10/07 12:36 da tarde, Blogger calamity jane said...

"r disse
Mãe adoptiva não existe. É um termo social. Não será mau para a criança, certamente, mas nunca o amor de mãe será genuíno, por mais voltas que dê o mundo."
o quê????????

Às vezes pergunto a mim própria se percebo bem o que leio...

 
At 4/10/07 8:52 da manhã, Blogger Um Momento said...

Sorrindo desejo de coração que já não falte muito:))
Realmente a adopção é tão , mas tão complicada...enfim...
E tantas crianças a precisarem de um lar, de um carinho e ali... abandonadas á sorte dos bons e maus da fita...

Deixo um beijo muito sentido e Sorrido :))))))

 
At 5/10/07 6:05 da manhã, Blogger Angela said...

Que sejam felizes e se mereçam, mãe e filho! Tenho uma amigam que adotou um bebe fazem 12 anos.Êles são tão felizes juntos! Dá prazer ver a família que construiram com tanto amor e prazer mútuo.
Desejo que seja assim com esta pessoa.
beijo, estou de volta devagarzinho, pois as coisas se acumularam nesta semana sem internet!

 
At 6/10/07 5:40 da tarde, Blogger chiqui said...

Azulinha,

que historia tao bonita. Adoptar e uma acto de amor. Puro e simples. Eu tenho o sonho de um dia dar amor, um lar, uma familia a uma crianca.
Parabens a tua amiga.

 

Enviar um comentário

<< Home