terça-feira, setembro 19, 2006

Espelhos proibidos

O Governo de Madrid proibiu a partir de hoje que se contratem modelos "demasiado magras" para desfiles de moda ou fotos de publicidade ou que as mesmas sejam maquilhadas de forma a parecerem mais magras ou com olheiras e aspecto "doentio".

As novas regras definem, inclusivamente, o que é "demasiado magro", com base num cálculo de massa muscular e índice de não sei do quê vezes não sei o que mais, tabelas de altura, peso e percentis incluídos.

A medida visa diminuir o alarmante crecimento do número de adolescentes que sofrem de anorexia nervosa, doença que se está a tornar um pesadelo estatístico para as autoridades espanholas.

Primeiro, acho um absurdo: um atentado contra as liberdades individuais, o governo a imiscuir-se numa decisão que tem a ver com o processo empregador/empregado (então , os estilistas , os publicitários, os anunciantes, não têm liberdade para contratarem os modelos que acham que melhor representam a sua imagem de marca?), uma violação da constituição por se discriminar alguém com base na aparência física, uma forma pateta delidar com uma doença séria que magoa e afecta seriamente milhares de famílias no mundo desenvolvido (não creio que se conheça sequer o conceito de anorexia no Sudão ou na Etiópia). Parece-me mau, muito mau.

Depois reflicto: sempre se discriminou pessoas com base na aparência física e esses mesmos empregadores que se podem sentir atingidos agora já não contratavam gordinhas, estrábicas, peitudas... sem que houvesse qualquer lei que a isso obrigasse.

Um desfile de moda é uma distorção da realidade, uma fantasia que nos retira do dia-a-dia e nos leva a um mundo onde não se anda, flutua-se e os sonhos vendem-se a preços exorbitantes.

Para ver gente como nós, não vamos procurar numa passerelle nem compramos revistas de moda; para isso basta uma voltinha pela baixa, uma praia da Costa ao domingo, o Centro Comercial mais à mão.

Proibições governamentais, a este nível, costumam ser uma forma de tapar o sol com a peneira.

Se não houvesse tanto jovem a crescer vazio porque os pais simplesmente não estão lá (trabalho a mais, valores invertidos a mais, capacidades parentais de menos e nem me vou estender nestas considerações), porque a Escola já não é um valor seguro, porque a sociedade não oferece saídas aceitáveis ou conforto mínimo, porque a quantidade que comem é a única coisa que controlam no seu mundo vazio ou cheio demais de emoções tumultuadas, se, se, se, governo nenhum teria que proibir nada a este nível.

Continuo a achar que sou contra esta medida.

Idéias para uma mais acertada, ou são a favor?

23 Comments:

At 19/9/06 7:56 da tarde, Blogger Madalena said...

E os teus argumentos convencem-me!!!
Beijinhos, Azulinha!

 
At 19/9/06 8:10 da tarde, Blogger melga meiguinha said...

Compreendo e concordo com muito do que disse mas sou a favor da medida tomada pelos espanhóis.

Não é preciso andar com as costelas quase a romper a pele, para se fazer um bonito desfile.

Mas, irònicamente, a peste desta século é a obesidade.

Que tal nem 8 nem 80?

Obrigada pela compreensão e muitas beijocas.

 
At 19/9/06 8:34 da tarde, Blogger BlueShell said...

Não consigo pensar em nada!Hoje, depois de um dia de intenso trabalho…apenas um abraço…
BlueShell

 
At 19/9/06 10:31 da tarde, Blogger Mocho Falante said...

olha não posso estar mais de acordo quando dizes que é tapar o sol com a peneira...

É um problema muito complexo e que não se resolve apenas com proibições que violam os direitos de cada um! Por isso acho que de facto o importante é restabelecermos os valores à familia e dar a importância que esta foi perdendo em prol de outras necessidades e exigências

Bom post

 
At 19/9/06 10:54 da tarde, Blogger Carlos Malmoro said...

Eu, embora não discordando totalmente da tua argumentação, penso que contratar pessoas com uma doença, e só porque essa doença provoca um aspecto físico que interessa à empresa, é também uma discriminação. Depois existe a questão da idade: 14,15,16 anos de idade. Não penso que tenha sido uma medida de todo errada. Mas concordo que proibir é a pior das formas de se lidar com o problema.

 
At 19/9/06 11:06 da tarde, Blogger Ck in UK said...

E oficial. Vou-te matar!!! E que postaste justamente sobre o q eu ia postar! :-)))) AI q andamos com transmissao de pensamento por osmose.

a medida em si tem sentido.a ideia dos organizadores tomarem essa decisao e fenomenal e tem que ser respeitada, e um passo em frente na industria da moda.
a ideia do estado proibir este tipo de coisas nao tem sentido. o mesmo se disse por aqui qdo o blair queria proibir q os pais dessem uns apertoes de orelhas nos filhos....Ha coisas que sao da esfera individual e ha que delinear fronteiras....

sabes o q me incomoda nisto tudo? e q a catraiada seja tao influenciavel por todas estas coisas. Isso e que me preocupa.

 
At 19/9/06 11:17 da tarde, Blogger planaltobie said...

Os limites para a saúde estão cada vez mais rigorosos, o que até aqui era apenas excesso de peso, agora é considerado obesidade; a tensão, a diabetes, o colesterol...tudo isso é cada vez mais apertado. Sou de Educação Física e fiquei ko quando li que a prescrição do exercício diário passou para hora e meia!
Portanto a medida espanhola é aparentemente contraditória com a tendência e exigência actual que pede menos, muito menos peso!!
Que tal se proibíssem todos esses agentes de falar? ...hã, que tal?!

 
At 19/9/06 11:21 da tarde, Blogger Su said...

Oiiii...
estou de férias, e vim aqui e mais uma vez n consegui entrar no meu blog...
isto tudo para dizer oi e dizer q pronto, desapareci daqui sem sabem porque!

bejo!

 
At 19/9/06 11:41 da tarde, Blogger Cara D'Anjo Mau said...

Os argumentos da liberdade individual, a questão constitucional, a não ingerência do estado em assuntos da esfera meramente profissional entre empregadores e empregados, o maior enfoque que se deve dar à educação e ao acompanhamento pelos pais às jovens adolescentes são bons argumentos e com os quais eu estou inteiramente de acordo.
Contudo ainda assim acho mto positiva esta medida do Governo espanhol pois valores mais altos como a saúde pública, tanta física como mental dos adolescentes estão em causa. É parte de uma geração que corre riscos. Discriminação sim, mas pelo lado positivo. Chamar-se à atenção para este problema mostra coragem e inteligência.
Já agora os Anjos preferem as formas pronunciadas. É pura discriminição e assumimos.

 
At 19/9/06 11:57 da tarde, Blogger a lice said...

Também não me parece que o problema se resolva com medidas destas!
É verdade que é necessário agir, mas o caminho talvez deva ser outro...

Beijinhos.
(Ainda bem que o post do mini-saia te agradou!)

 
At 20/9/06 12:33 da manhã, Blogger espumante said...

Por muito que possa parecer chocante, quero aqui deixar o meu acordo com as linhas gerais do teu post. Afinal, o que o governo espanhol fez é a negação total, o reverso das mais fundamentais liberdades individuais. Aliás, pessoalmente considero este um tique característico do actual governo espanhol em geral e Zapatero em particular. O tique paternalista de que o PSOE (como a genralidade dos partidos socialistas, sôfregos por causas, agora que a ideologia foi definitivamente para a gaveta)dá frequentemente provas chega a raiar o absurdo. E a cereja em cima do bolo é a discriminação dos anoréxicos no trabalho...
Havia tanto a dizer sobre isto...
Beijinho para ti e espero que tenhas encontrado o dicionário
:)

 
At 20/9/06 7:49 da manhã, Blogger C_mim said...

Cada um tem a sua medida certa... Fiz as contas e para ter os tais 18 ideais tinha de pesar 55 Kg...

COncordo que o estado deve garantir liberdades e não condiciona-las, concordo tb que a nossa juventude cresce no vazio de valores, afectos e desejos.
Gostaria de ver a industria da moda a ter mais bom senso e a fazer desfiles com modelos de todas as étnicas e formatos...

Quando vou à Zara nem um par de meias me serve porque aquilo é tudo para moças muito magritas e pequenas...

 
At 20/9/06 9:27 da manhã, Blogger asdrubal tudo bem said...

Por acaso não concordo contigo. Não acredito que esta proibição leve as miudas que estão de fora a querer ser magras mas pelo menos vai por algum travão na exploração de que são vitimas essas miudas que andam nesse meio, muitas delas vitimas de autêntica escravatura e que muitas vezes~entram no mundo da droga só para poderem competir nesse tipo de mercado,.

 
At 20/9/06 10:08 da manhã, Blogger greentea said...

ee porque nao se preocupam com a obesidade o excesso de peso as crianças enfrascadas em oleos fritos gorduras depanadinhos, bolos com creme refrigerentes cheios naao sei de que , hamburguers pizzas e outros q tais gomas pasteis de nata logo a nascença e tantas outras coisas como iogurtes ja de si doces e ainda se poe dois pacotes de acucar oara o menino comer e a chucha embrulhada em açucar tb aquela porcaria oralidade mal resolvida que se vai alastrando vida fora...
ha excessos nareduçao do peso , na magreza doentia, mas o excesso de peso ´´e outra realidade q deviamos enfrentar de frente !! e ver a diabetes das crianças e as figuras tristes que fazem no meio dos outros, quase sem poder brincar nem correr porque muitas vezes as maes as avos as tias os empanturram de comida at´´e ao v´´omito...

 
At 20/9/06 10:59 da manhã, Blogger Aragana said...

Sou a favor miga...

Eles basearam a decisão em IMC e "ar saudável"...

As jovens sempre procuraram modelos pra seguirem. Se elas têm um ar esfomeado da etiópia é muito mau...

 
At 20/9/06 12:02 da tarde, Blogger Periférico said...

Pelo menos a medida teve o mérito de alertar para um problema, se foi a melhor forma não sei, mas lá que atingiu o propósito de chamar a atenção e os holofotes sobre o evento e a anorexia não tenho menor dúvida!;-)

Beijos

 
At 20/9/06 2:37 da tarde, Blogger pitanga said...

Acho tudo isso aparatoso demais. Não acredito que a anorexia de jovens seja inspirada pela magreza das modelos de desfile.Isso é uma disfunção psicológica por motivos vários como abandono,crises familiar etc. Em contra partida a tudo isso nos EUA estão lançando o manequim tamanho zero. Acreditem! E as dondocas americanas siliconizadas terão que diminuir os peitos para caber no tal do manequim. Só dá maluco.
beijos

 
At 21/9/06 6:57 da manhã, Blogger UrsaM said...

Falta do que fazer? Possivelmente existirão outras medidas governamentais que estão postas de lado...
Que tal colocarem um limite mínimo na idade destas meninas que, por serem tão meninas ainda podem, mais fácilmente, ter estes manequins tão reduzidos!
já perceberam que à cada dia mais desaparecem as formas que evidenciam as diferenças tanto de gênero quanto as individuais? A uniformidade impera!
Me pareceu que a finalidade pode ser bem intencionada mas caberia aos governos estas medidas?
Como é evidente neste universo extrovertido e de aparências, tudo parece vir de fora para dentro e nem sempre é assim que as coisas acontecem...

 
At 21/9/06 10:30 da manhã, Anonymous Françana said...

Este tema é forte !
Claro que os paìses desenvolvidos se confrontam mais com a obesidade que com a magresa excessiva !
Saiba que é mais facil a um gordo emagrecer, se o quiser, que a um magro engordar !
O problèma não é de saber se o governo não tem mais nada que fazer senão legificar sobre os desfiles de moda ! (um detalhe !) Mas de saber que o mundo da moda (fotos das revistas retocadas por computador, etc) dà às miudas uma imagem da mulher que é completamente falsa e impossivel a atingir em condições "normais" de alimentação.
Também é verdade que a maior parte das familias (portuguesas e não sò) têem ainda aquela mentalidade que é preciso esvasiar o prato ! E que prato !!!
Quase nenhum miudo hoje come uma posta de peixe com arroz e legumes mas sim um panadinho com batatas fritas !
Pela minha profissão, (ocupo-me de crianças) tenho em vista a boa e equilibrada alimentação das crianças e os pais ficam-me gratos por lhes dar a oportunidade de comer "do bom" ! Sem exagerar, acho que o problèma hoje em dia é tão grave para as crianças obesas como para as anoréxicas !
Não é ao governo mas sim aos pais e instituições que se ocupam delas, que deveria ser feita a educação para uma alimentação equilibrada !

 
At 21/9/06 3:05 da tarde, Blogger Mamã P. said...

Concordo contigo mas tb concordo com a medida... passo a explicar. Desciminação pelo aspecto fisico faz-se em todo o lado, de um modo ou de outro, por isso nesse campo não há diferença. A realidade é que é tudo uma questão de modas. Antigamente era bonito ser-se "anafado" agora é bonito ser-se "escanzelado" e esta "moda" não é realista. Que lógica tem num mundo em que estamos cada vez mais gordos??
Para mim a medida foi mais uma chamada de atenção, um "abre olhos", de que é necessário mudar alguma coisa.

Só para terminar, gosto muito de te ler, tens um dom (para a escrita) fantástico! Bjs.

 
At 21/9/06 6:17 da tarde, Blogger Escuta o teu mundo... said...

A beleza de tudo está sempre nos olhos de quem vê.... ;)

 
At 21/9/06 9:00 da tarde, Blogger Meia Lua said...

É verdade, no Paseo de Recoletos, onde alguns desfiles aconteceram o nr mínimo para as modelos foi o tamanho 38. Algumas deram uma entrevista dizendo que se tiverem que aumentar 5 ou 6 quilos para desfilar, não o fariam... ou seja, querem continuar a vestir 32....
Eu acho a idéia fantástica e o resto do mundo devia seguir o exemplo. Não precisamos de sacos de ossos para gostar de uma roupa ou não. E acho que qualquer marca de prestígio antes de qualquer outra coisa quer passar a imagem de que quem veste as suas roupas é saudável...
bjinhos

 
At 3/10/06 8:02 da tarde, Anonymous Anónimo said...

nem o salazar se lembraria de uma coisa dessas. gordas!

 

Enviar um comentário

<< Home